segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Isto ficou-me na cabeça... Não sei porquê.

"Existe uma raça de homens que se não adaptam
Nem podem estar quietos:
Por isso rebentam todas as amarras
E vão correr mundo.
Cultivam os campos e dominam as cheias,
Trepam ao alto das montanhas;
Mas trazem consigo a sina de um sangue vagabundo
Que os não deixa parar.
Se caminhassem em frente iriam muito longe,
Pois são fortes, valentes e leais;
Mas fartam-se logo daquilo que têm;
Querem sempre mais."

Em A Sangue-Frio, de Truman Capote

4 comentários:

do Paço disse...

Sabes sim... Sabes exactamente porque te ficou na cabeça.

O texto é fantástico. É bruto, puro!

E, acredites ou não, essa raça de homens há-de querer uma raça de mulheres que os acompanhe, que sejas valentes e que tenham sangue vagabundo.

Felicidades :p
*

catherine disse...

Hum... De certo modo gostava de ser assim, de rebentar as amarras e correr mundo, de ter sangue vagabundo. E não pelos outros, mas por mim. Invejo estas pessoas.

Também eu me farto do que tenho e quero sempre mais, mas julgo que com os anos fui acalmando e me "habituando"...

Enfim, gostei muito deste poema e ficou-me na cabeça. :)

Kate disse...

Gosto, gosto muito!

Green disse...

Verdade.

Pesquisar neste blogue