sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Pessoas que foram importantíssimas no Passado e que no Presente já nem sequer nos conhecem, já nem sequer as conhecemos e já nem sequer nos lembramos delas com alguma regularidade. Pessoas essas que nos continuam a afectar passado 4, 5, 6 ou 7 anos sem notícias. E que nos afectam de tal forma que nos fazem rolar uma lágrima ao sabermos, completamente por puro acaso, que se vão casar, ou que vão ter um filho, ou que já o tiveram e que é lindo e tem as suas bochechas! Pessoas essas que nunca deveriam ter sido tão importantes no Passado, pois no Presente seriam igual a nada, coisa que não acontece apesar de eu mentir. E chego a mentir a mim mesma. E hoje sei disso!

6 comentários:

Martini Bianco disse...

o que passou passou... Entendo o sentimento. talvez te sintas stucked, relativamente a essas novas fases dessas pessoas, mas muitas vezes essas fases nem significam propriamente um avanço mas sim uma inevitabilidade. Das fases que abordaste não invejo nenhuma.
Gostei do teu espaço.

AnnaSo' disse...

Pessoas que são importantes, são para sempre ! Por muita coisa que possa ter acontecido, quando sabemos que aconteceu um coisa qualquer, mexe sempre lá no fundinho do coração . è a vida (:

Leila Reis disse...

entendo-te e também sinto isso, mas a verdade é que se não tivéssemos passado por isso, não teríamos crescido e aprendido, e não seriamos hoje pessoas melhores e com outra mentalidade.

DoceSussurro disse...

Oh! :/

Percebo bem o que dizes.. E custa um bocado distanciarmo nos desse sentimento, né?

That sucks!

Beijinho*

Eu próprio disse...

Sinto a mesma coisa que tu, madrinha. É bem verdade, e também me arrependo de certa forma de ter dado tanta importancia a pessoas que hoje não me valorizam.

Daniela Pereira disse...

As vezes penso tanto nisto. Quando era miúda a maioria do meu tempo passava o com um garoto chamado Sérgio, irmão da melhor amiga da minha irmã, todas as noites passava-as na casa dele. Até que ele se mudou de casa, foi para perto mas mudou-se deixamos-nos de ver com regularidade até que passou a deixar de existir qualquer coisa possível, cheguei a ve-lo por ai, sem sequer me reconhecer.

Pesquisar neste blogue